Adeus Mihai

A Casa Real da Roménia anunciou hoje a morte de Sua Majestade o Rei Miguel. Com 96 anos de idade e um estado de saúde muito debilitado, Miguel (Mihail) faleceu no dia 5 de Dezembro, na sua residência na Suíça. Vamos ao baú da história conhecer o homem que reinou o país em duas ocasiões diferentes e que acabou por ser o último monarca para lá da Cortina de Ferro.

Escrevia eu em Um Rei vezes dois:

Nascido no Palácio de Sinaia, a 25 de Outubro de 1921, Miguel ascende ao trono com a tenra idade de seis anos. Novo de mais para comandar os destinos do país, a Roménia foi durante três anos, até 1930, governada por uma regência. O país enfrentava as movimentações e convulsões pós-Primeira Grande Guerra e era necessário um rei de palavra e atitude firmes. A opção para substituir o pequeno Miguel recaiu no seu próprio pai, Carlos II. D. Carlos viria a governar o país até 1940, data na qual, através de um golpe de Estado, o Mareșal Antonescu retira a coroa a D. Carlos e chama de volta D. Miguel. Após a mudança de coroas, D. Carlos passou a viver no exílio, tendo falecido no Estoril (o retiro de luxo de muita monarquia europeia do pós-Segunda Grande Guerra). Com Antonescu como primeiro-ministro, a Roménia conhece um período de ditadura e o Governo alinha-se, a contra gosto do novo rei, com os alemães nazis.

Durante a Segunda Grande Guerra, o país encontrava-se na encruzinhada de dois grandes exércitos: o nazi e o soviético. O país tinha cedido a soberania de porções do seu território a potências estrangeiras e, exausto das sucessivas derrotas, dos ataques aéreos e dos avanços das forças soviéticas junto à fronteira oriental do país, D. Miguel lidera um golpe de Estado que depõe o Mareșal Antonescu e volta a colocar Bucareste ao lado dos Aliados.O destino estava já traçado e não teria um final feliz como nos filmes. Antes pelo contrário. Moscovo nunca escondeu as suas ambições sob o Leste da Europa e, como vencedores do grande conflito mundial, mantiveram a Roménia sob controlo apertado. Após 1945 é instaurado um regime comunista no país, regime este que rapidamente tratou de impôr os ideais de esquerda que a União Soviética ditava. Entre eles, a criação de uma república popular e a consequente abolição da monarquia.

E em Dez vezes Três :

E se, em 1947, as forças apoiadas por Moscovo não tivessem obrigado D. Miguel a abdicar do trono romeno? Provavelmente a data de hoje, 10 de Maio, seria vivida intensamente e os romenos festejariam não uma, mas três ocasiões especiais: o dia da independência, a proclamação do primeiro rei e os 150 anos de monarquia.

Com a morte da Rainha Ana, em Agosto de 2016, e agora a morte de Miguel, a Princesa Margareta assume as rédeas da Casa Real. Estas foram as suas palavras no comunicado oficial:

“Our country lost King Michael I. For over nine decades, he dedicated to Romania all the strength that God bestowed onto him. And death alone put an end to his tireless and patient work […] An example of unwavering devotion to his people, with a high sense of duty and strong principles, he wrote the most valuable page in the contemporary history of our nation.”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s