HABEMUS LUMINA

Todos os anos é assim: as ruas ganham um novo brilho quando nos aproximamos do Natal. E na semana em que Bucareste foi considerada uma das cidade europeias mais "brilhantes" na quadra natalícia, fui à rua ver a razão de tal classificação. Ainda não há neve, mas, em compensação, encontramos três milhões de pequeninas luzes pelas principais artérias da capital.

VOLTAMOS AO PRIMEIRO!

Voltamos ao Primeiro de Dezembro e, desta vez, Roménia e Portugal celebram a data em uníssono. Um marco histórico que marca há décadas (centenas de anos para os portugueses) a História dos dois países. Hoje, aqui em Bucareste, as Forças Armadas desfilaram nas largas avenidas do Norte da capital. Meios terrestres, aéreos e 3000 soldados, alguns de forças aliadas, exaltaram o orgulho romeno. Misturei-me no meio da multidão, no meio de um mar de tricolores, para sentir o bater patriótico romeno. Mas o que celebram os romenos?

UMA CEO TAMBÉM CHORA

Para recordar. Sempre!

Cartas de Bucareste

A manhã de terça-feira começou da pior forma possível. A notícia correu rapidamente. Mais uma colega não resistiu aos ferimentos provocados pela tragédia do Club Colectiv. Há um silêncio ensurdecedor no escritório. Mas é nas piores alturas que nos apercebemos que uma das mulheres mais ricas e influentes dos EUA, Safra Catz, CEO da Oracle Corporation, é, afinal de contas, como nós: emociona-se, chora e pede-nos para rezar pelos colegas que nos deixaram nos últimos dias.

Hoje o número dos que já não estão entre nós elevou-se. São já 32 as vítimas mortais da tragédia de sexta-feira passada. Dos quase 200 feridos dez são colaboradores da Oracle. Três não resistiram aos ferimentos. Um acontecimento que está a marcar os romenos. Muitos mais do que um mero incêndio, a sociedade discute a proibição de se fumar em bares, restaurantes, cafés e discotecas. Debate-se a legislação ultrapassada que as autoridades teimam em…

View original post mais 429 palavras

AS ESCÓCIAS DO LESTE

A propósito de um post publicado em Setembro de 2014, hoje cruzei-me com cartaz interessante: apela-se à participação dos bucarestianos numa manifestação a favor da união da Roménia com a República da Moldova. Vamos rever a história para perceber este velho fantasma que paira sobre a sociedade romena.

20161010_145600

Cartas de Bucareste

Hoje, na Escócia, a população votou o seu futuro: manter o reino ‘unido’ ou desligar-se da coroa britânica e encetar um caminho independente, separando os destinos dos escoceses dos ingleses. Desde 1707 que os dois países caminham juntos, sob o olhar do mesmo rei (rainha, na atualidade). De qualquer forma, mesmo integrando o Reino Unido, Edimburgo mantém um conjunto alargado de poderes próprios. Em breve se saberá se este status quo se manterá ou não, mas na minha opinião, independentemente do resultado da consulta popular, as relações entre as duas nações jamais ficarão iguais.

Mas porquê a Escócia num blog sobre Bucareste e a Roménia? Enquanto os líderes da Europa ocidental se preocupam com o impacto de uma Escócia independente, aqui a leste, mesmo às portas da antiga Dácia, outras Escócias lutam há anos por uma independência. Moldova (ou Moldávia) e Transdnístria, nomes que provavelmente pouco dizem aos portugueses, debatem-se por…

View original post mais 611 palavras

E VIVERAM FELIZES PARA SEMPRE

Nada melhor que a desculpa de um casamento para fugir aos dias tórridos do Verão de Bucareste. E assim foi, há um ano atrás, a minha primeira experiência casamenteira na Roménia. Muita tradição, muita emoção e animação num cocktail que tem tudo para terminar como nos filmes da Disney : "e viveram felizes para sempre!"

O ADEUS À RAINHA QUE NUNCA REINOU

"Her Majesty Queen Ana of Romania will remain forever in memory and in our hearts as one of the most important symbols of wisdom, dignity and, especially, as a model of moral conduct." Foram estas as palavras de Klaus Iohannis para o Rei Miguel a propósito do falecimento da Rainha Ana da Roménia. Aos 92 anos, a rainha que de facto nunca foi rainha, regressa ad aeternum ao reino que nunca reinou.